segunda-feira, 31 de agosto de 2009

entreversos

Algo entrelinhas me diz sobre as letras que não cabem.
Acordei e fui pintar...
Escolhi insetos como cor dos meus pés,
Pintei minha cabeça de árvores,
Escolhi borboletas como cor das mãos.
O peito enchi de canto de cigarras,
Para os dedos ficou a cor dos movimentos.
O vento colori de versos,
Pra ver se ele sopra poesia nos ouvidos cor de amor.

2 comentários:

Cla Benvindo disse...

nossa, nossa!

José disse...

Cigarras e borboletas eu pus no estômago, é o que me possibilidade flutuar.