quinta-feira, 14 de maio de 2009

Neverland.

Não que queira voltar no tempo,
Não dá tempo!
Nem ser mais ingênua,
Não tem espaço.
Queria algumas cores que não vejo por aí dando bobeira.
Queria o carrapato que prendeu na minha perninha sem pêlos.
Queria só uma manhã na colônia.
Caminhada até os laguinho pra dar o pão para os patinhos.
Queria no caminho ver o tio noca na pracinha, e eu juro que o via, mesmo morto há tempo!
Beber a água gelada na fonte, será que ainda existe aquilo?
Andar de pedalinho, ganhar o prêmio garfo de ouro e dar o nome pra nova cabrita.
Queria sim o bingo de feijão, o cheiro de feijão, a fanta uva e o misto.
Comer sem calorias, dormir sem horário, jogar sem ganhar.(aliás, ganhei, o bingo de mais azarada, tive até uma faixa de papel higiênico...ganhei também uma pipoqueira no mesmo dia.Porque às vezes tenho sorte.)
Espiar os adultos jogando sinuca, pela fresta, em fila, um de cada vez.Ei, sou eu!
Queria mais um dos melhores dias...os que fazia sol! Era uma correria só, era raro sol por lá, todas as crianças saim correndo pra piscina, e se nas próximas férias você estivesse na piscina grande...não falava mais com quem frequantava a pequena.
Quanto status!rs
Era uma felicidade completa, daqueles momentos que você sabe que vai ser pra sempre.
E eu sabia aos 5, sabia naquela última vez aos 13 e sei hoje.
Só existiam manhãs, até as tardes eram manhãs, e nas noites a gente via sol.
Queria sim, o velho do meu lado, contando seus causos.
Nunca pensei querer...mas queria a velha lembrando que tem que esperar uma hora depois de comer pra poder brincar.
Queria o amor que eu senti, pulsando por aqueles que hoje, vejo, tão e demasiadamente humanos.
Nostalgia às vezes é barata, mas têm coisas que me são caras.
Não me trocaria por ontem, gosto sim muito de hoje.
Gosto de hoje porque fui feita dessas coisas, do meu respaldo de que a vida vale tanto.
E, mesmo que tenha que me diga que o mundo não é tão colorido(né, gui?), eu prefiro vê-lo bonito.
Bonito e real.
OK.OK.
O texto anterior pode ter sido baratinho...rs.
Ainda me rendo a algumas multidões, mas realmente às vezes me dá vontade de acordar com o galo chato de vassouras, no tempo que o maior medo era que um sapo pudesse ter entrado no quarto.
Nada mais existia senão mágica.
Ainda tem mágica hoje. São mágicas diferentes, talvez porque mágica peça um pouco mais de mistério, um pouco mais de acreditar.
Um pouco mais de saudade.


-resposta carinhosa às minhas caras e 'coroas' amigas, karol e karla.

5 comentários:

Annanda Galvão disse...

lendo agora...não tem nada de resposta né?
Comecei com uma idéia e terminei em outra.
Não fez sentido...mas faz.rs

Afobório. disse...

pois eu acho que o tempo não tem resposta mesmo.

acho que escrever é retratar com fidelidade aquilo que se escreve.

sorte e luz.

Flávia Guilherme disse...

Eu sinto saudade da aurora da minha vida...de verdade, penso nisso quase que diariamente.

Sophia disse...

"Nostalgia às vezes é barata, mas têm coisas que me são caras.
Não me trocaria por ontem, gosto sim muito de hoje."

se eu definisse minha vida hoje, abriria belas aspas e colocaria esse eu trecho.
Um texto tão direto e humano,denso, sabe?
amei.
:*

Karol Gonçalves disse...

Agora sim! Uma nostalgia que emociona e nada barata. Lembrança editada e eternizada é muito bom!