terça-feira, 5 de maio de 2009

Inventário.

Quando foi embora,

Achei que não fosse mais levantar,

Mas, levantei,

Achei que não havia mais graça,e ri!

Achei que nunca mais acordaria com vontade de hoje,

E hoje acordei!

Achei que nunca mais ia ter a sensação de plenitude que era ficar do seu lado,

Comendo biscoito, você comia o recheio e me dava a casquinha.

Quando era pão, a casquinha era sua.

Comia o que eu não agüentava e me dava o ovinho de codorna do seu cachorro-quente.

Cozinhava a canja com batata e cenoura,e servia.

Essas coisas bobas, que no final das contas é o que dói.

A gente se alimentava da gente, mas vivia com fome da vida.

Eu ainda não parei pra chorar pelo que foi perdido, é que eu tenho medo de não parar.

No inventário do que não tem mais jeito enumero as certezas que escoaram pelos meus dedos, e mesmo quando eu fechava a mão, e eu fazia força, elas passavam, sorrateiramente entre um polegar e um anelar.

Escoou certeza, admiração, vontade e um pouco de mim.

Eu sei que você não me deixaria sozinha, eu sempre soube.

Só que eu acabei sabendo de mais coisas,

Você não era completo.

Eu não era também.

Continuo me sentindo sem você, só que agora é mais real isso.Porque não me sinto sem você, seja lá quem você se fez e o que foi esse tufão, me sinto sem quem eu fui.

Desculpa se eu deixei você esperando.

É que eu ainda não me tenho pra te dar.

Me da uma dorzinha...saber que você não esta mais na linha, nem no ouvido, nem no coração.

Mas ela logo passa.

Se pudesse escolher, te escolhia.

Mas em alguma altura, entre o décimo andar e esse chão duro...

Eu me escolhi.

Estou com algumas costelas quebradas, mas meu peito continua grande, bom e forte.

E, repito como oração: valeu a pena, valeu a pena.

Quem sabe uma hora, ou duas, eu acredite no que passou, e eu expulsei a golpes de pincel.

Faço inventários, eu sei, mas foi real.

5 comentários:

Karla Natal disse...

"Essas coisas bobas, que no final das contas é o que dói."

verdade, nua e crua e por isso tão grave.
Lindissimo. Você continua me emociando!

Continue inventando bastante, com dor, sem dor, mas escrevendo...

Leandro Fonseca disse...

uma das coisas mais bonitas que existe é amar. Uma das mais tristes é sofrer. Um bom texto, simples e sincero.

hasta!

Afobório. disse...

achei o seu texto tão tocante. nossa, que sensível.

sorte e luz.

Karol Gonçalves disse...

"A gente se alimentava da gente, mas vivia com fome da vida."

perfeito!

Karol Gonçalves disse...

Não gosto de inventários, vc sabe...talvez pq não saiba os fazer!
mas nas suas palavras tão bonitas, até a dor é valida!