domingo, 14 de março de 2010

Nosso.


Tenho medo do olho gordo.
E isso deve ter sido macumba.
Pensar em querer assim já me assustou.
E você me faz bem a beça.
Meu alívio.
Entrou pela janela e enquanto bagunçava, colocava tudo em ordem.
Sem perceber, esqueci o que outrora foi motivo de coisa doída.
Já sei que não existem contratos.
E que nada nosso (sim! nosso.) vai ser assim.
Eu aprendo mais quando não sei.
Não sei.
Minha festa.
Pés se coçando.
Roupa na mochila.
Compramos a passagem na hora certa.
Que bom que você veio.
E vem todo dia.
E enquanto planta em você... Também cresce em mim.
Descubro seus pedaços, desenho e cantarolo qualquer coisa boba,
Que me explique porque somos estranhos na mesma medida que isso é lindo.
E colore.


img: fffound

6 comentários:

Karla disse...

"Eu aprendo mais quando não sei."

Karla disse...

noooossa, maravilha começar a semana assim...vivendo e aprendendo...

Virgínia Bertino disse...

e eu adoro quando você fala assim, por mim. E por você.

Alegre-se que coisas alegres virão! disse...

"E enquanto planta em você... Também cresce em mim."

E colore tudo.. mesmo com o céu cinza.. com as folhas secas... mesmo a fumaça do cigarro... qualquer coisa fica colorido quando o coração está sorrindo.. tudo fica lindo.. leve... e com um ar de magia....

adorei o texto!! Parabens!!!

Karol Gonçalves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Karol Gonçalves disse...

[Suspiros] [ Muitos suspiros!]

Ai de mim, saber escrever o amor!

" Que me explique porque somos estranhos na mesma medida que isso é lindo."

" Entrou pela janela e enquanto bagunçava, colocava tudo em ordem."

Janela? Qual mesmo? www?