sexta-feira, 27 de março de 2009

Nada não é nunca quando se é.

Olha e vê.
Meus olhos cansaram de verter em água o que passou por aqui.
Coisas que são letras nos papéis, às vezes escorrem nas maçãs(as do rosto, quem sabe as da feira),sem aviso prévio.
Talvez se gritasse toda e cada palavra na frente dessa gente cor de pastel, meu soluço disso passaria há tanto.
Só vou dizer de tanta cor!
Vá saber que falava sério e, quanto tudo foi de quem percebeu... Depois que? Já tinha ido.
Olha e entenda tudo que não vou dizer dessa vez.
Tendi a você mais do que à pitangueira.
Cai de bumbum no chão, levantei sozinha e rindo.
A vida é mesmo bonita sabe?
Quando você se transforma no que é.
Quão grande foi sem ser e, contanto, aviso.
Com tantos avisos.
E, sendo foi demais. E, cedo dói demais. E, ceda! Dê mais!
(Não deu,né? Não tem desculpar, tem ser feliz)
Conto a cada um desses azulejos,
A cada grão de poeira viva,
A cada cadeira que ainda pulsa,
A história que não existia o outro.
Vai e me lembra.
Vai e não leva.
Porque eu não olho pra trás.
E não me desculpo por mim. Eu tive toda culpa. Guardei-a num bolso,
perdi.

6 comentários:

Karla Natal disse...

"Cai de bumbum no chão, levantei sozinha e rindo.
A vida é mesmo bonita sabe?
Quando você se transforma no que é."

isso é lindo, e a gente tb é...sempre fomos!

mtos bjos
adorei!

Cleyton disse...

enrão volte sempre.

Van disse...

Oi querida,
Obrigada demais pela visita e comentário no VAN FILOSOFIA!

Fique sempre à vontade.
Bem-vinda! =)))))
Vou linkar você.
Beijucas

Karol Gonçalves disse...

Que inveja de quem chora,e lágrimas caem pela maçã do rosto!!

Karol Gonçalves disse...

"E não me desculpo por mim. Eu tive toda culpa. Guardei-a num bolso,
perdi."

E PONTO FINAL!

Luz disse...

"E, sendo foi demais. E, cedo dói demais. E, ceda! Dê mais!" - Adooro esses jogos de palavras!
:)

Gostei do teu blog. E obrigada pelo comentário! Volte sempre!