sábado, 11 de dezembro de 2010

Erasmus.


Acho que só entende quem já esteve sozinho e encontrou lar em forma de gente.

Eu tenho várias casas em Lisboa, e adoro morar nelas, neles.

Mais do que o que viemos buscar, acredito que vamos voltar com uma bagagem que não cabe na gente.

Vamos pagar excesso de peso pela vida, bem vivida e vai ser bem gasto.

Conhecer gente de todos os cantos, conhecer os cantos da gente.

Espero que meus amigos, que nesses meses tem sido um pouco família também, tenham aprendido o real significado da palavra saudade.

"Saudade" só existe em português.

Agora vai existir saudade em todo um Portugal que já faz parte do que somos.

Que vocês, meus queridos, aprendam que saudade não dói.

Às vezes sim, mas é uma dorzinha boa de sentir.

É a constatação mais do que óbvia de que algo muito bom já existiu, aconteceu e permanece.

A saudade tem a incrível capacidade de eternizar.

Saudade é aquilo que fica daquilo que não ficou, ou ficou demasiado.

Vocês, as lições aprendidas, as risadas e carinhos que se encerravam em abraços.

Ficam.


"Vamos quedar entonces a las 11h em Camões, right? sacanaaaaagem"


Esse é só o começo!

Turcos, espanhóis, gaúchos, niteroiense, italianos, franceses, tchecos e tico tico no fubá...

Vou levar em forma de saudade, de história boa!!!

De cerveja gelada no frio, de vinho barato, de trocas, de querer entender.

De mirador e bairro alto.

De entender que as palavras às vezes não são tão necessárias quando existe vontade e coração.

A vocês: Boa vida, bom caminho, bom mundo, boa volta, Boa saudade!!!


2 comentários:

Nathy disse...

vc tem razao,as vezes é preciso sentir saudade.

Karol Gonçalves disse...

É isso, encontrar lar em forma de gente!
Mais não é preciso definir.