domingo, 8 de fevereiro de 2009

De repente sou eu.

De repente você é meu.
E o que sinto é certo.
Como aquele cabelo que não devia cair sobre a testa,
Mas sempre esteve ali.
Sobre o riso fácil, sobre a mesma graça.
Sobre tudo que fui quando estava distraída em te observar.
Sobre mim.
Piso forte no meu caminho, com a certeza de que cada passo pra ir é um que posso dar se quiser voltar.
Só em mim. Sozinho em você.
Que abraço gostoso!
Que saudade da gente apertada!
Sozinha em mim descubro quanta gente tem aqui.
De repente acelera e aquieta.
O que em mim.
Transtorna.
Me entorna.
Eu não me importo mais com aquela bagunça.
Elas vão para o mesmo lugar.
E, eu continuo onde sempre fui.
Dizem quando é fundo dessa maneira há de ter um próposito.
Soube desde o primeiro que esse seria o último.
Você acontece em mim.
Sem que eu me dê conta, você se torna todo um pouco eu e muito de mim.
Pode ir.
Pode e vou.
vôo.
Aceitar todo esse erro é começar a acertar.

3 comentários:

Era uma vez...... disse...

Acerto, erro, aceito e erro de novo!
sinto falta e me arrependo, volto atrás mais nem dá mais!
Gosto do q escreve, gosto das plavras aceitas por vc, dentro de vc, o q nem em mim faço ser, mais sinto com vc qndo leio!!!

Afobório. disse...

olá.
não sei ao certo como cheguei até aqui, mas o fato é que seu texto chamou minha atenção.

acho que dar um passo é ir para algum lugar e realmente, enquanto andamos, ficamos perto ou longe um determinado lugar ou alguém.

mas o amor sempre é uma coisa boa, ao menos é como deve ser, eu acho.

sorte e lu, para você e todos os seus queridos.

Gabriela disse...

tá aí uma façanha annandesca que eu não tinha pleno conhecimento!