quarta-feira, 20 de outubro de 2010

"Se alguém perguntar por mim..."

Sim, Estou por aqui.
Bom, houve quem me dissesse que minha vida mudaria muito porque ia morar na Europa.
Como se aqui fosse algum universo paralelo onde não existissem problemas, nem dores...
Como se os trabalhos se fizessem sozinhos, e cansaço fosse coisa de terceiro mundo.
Como se desilusões, dorzinhas, coisa mal curada, assunto mal resolvido, pinimba e micose se resolvesse com o simples fato de que existe um Oceano de distância.
Não vou mentir... As coisas ficam mais fáceis.
Ando por ruas que não me dizem nada, por isso eu digo a elas...
Tem uma rua aqui perto que vivo contando pra ela como suas esquinas se esbarram com meu futuro,
Tem uma transversal a terceira rua a esquerda da minha casa que sempre conto como é no Brasil e que mesmo no sinal vermelho a gente não para, ela fica boba, ri e se mostra pra mim... Ela tem varais e é tão européia da parte dela ser assim.
A minha rua é a mais colorida.
Conto pra ela todo dia como gosto de estar aqui, de como ela não representa nada além que eu.
Eu cada dia um pouco um sonho tão sonhado.
De qualquer maneira os problemas existem.
Meus vizinhos são fofoqueiros, Marina é boa demais pra mim.
Meu tênis novo abriu no meio de um temporal e não tinha meus pais pra me buscar, nem me ajudar a secar.
Escrevo errado de tanto falar línguas misturadas... Falo italiano, espanhol, inglês e turco ao menos uma vez ao dia cada.
Já estou enrolada até o pescoço com histórias que eu nem queria que fossem minhas.
E, por não querer as quero e são minhas até demais.
Pois é... O jetlag não me fez mais simples.
Os dilemas insistem. Pra sempre ou até amanhã?!
Peço um café, compro feijão enlatado.
Sinto muitas saudades de você.
Muita mesmo.
No início saudade não existe, a gente fala só pra quem ficou não ficar mais triste. A saudade é quase educação.
Mas quando ela acontece é forte, cara.
Queria ir em casa rapidinho, abraçar meu mundo e voltar.
É engraçado quando eu sonho que estou em casa, acordo chamando minha mãe e quando dou de cara com uma parede vermelha mal acredito que estou aqui.
Quando ouço o ronco da Marina, caio em mim. Começo a flutuar.
Triste porque me faltam abraços, vozes.
Feliz porque me sobra amor. Me sobre amor.
Hoje um dos meus meninos favoritos respondeu ao meu drama de sempre- "Você me abandona, Rá!"-
"Impossível eu fugir do meu coração, impossível te abandonar."
Anoto no meu diário [aqui] pra não esquecer nunca.
A gente não se abandona, mesmo quando não pode estar.
A gente se ama e coração nenhum cai no Oceano.
Não se iludam. Amor fica na gente até a hora que tem que ficar.
Mas às vezes é do outro lado do mundo que a gente encontra o lugar pra estar.
Corre na janela, eu estou lá.

ps.: Ganhei o concurso "Crônicos!" da Editora Multifoco. Vou ser publicada!!! Um dos textos que postei aqui vai ser ilustrado e sair em uma coletânea com outros textos vencedores, inclusive o da minha dear Karol Gonçalves (quase uma editora daqui rs). Isso tudo é muito surreal!!! (A hora que li o email com o resultado foi um dos momentos mais felizes). Registro aqui meu carinho e gratidão aos que sempre lêem essas coisas - cada dia mais - desconexas da minha cabeça.
Os comentários e força e toques e críticas foram a força motriz do blog e muitas outras coisas que não se encerram em palavras.
Uns mais, outros muito mais foram inspiração pra mim.
Não sou jornalista, sou amadora e escrevo aqui justamente por isso.
Quem me conhece sabe como isso é importante pra mim e importante também é dividir coisas boas.
Obrigada do fundo da cabeça.

4 comentários:

Nathy disse...

achei seu blog por acaso na net e ja virei mais uma fã.

parabens

Juliana Leite disse...

"No início saudade não existe, a gente fala só pra quem ficou não ficar mais triste. A saudade é quase educação."
É...tá certo...p/ quem fica é mais dolorido...
mal educada!rs

Juliana Leite disse...

"A gente não se abandona, mesmo quando não pode estar.
A gente se ama e coração nenhum cai no Oceano.
Não se iludam. Amor fica na gente até a hora que tem que ficar"

ok! vc se redimiu nessa!
nandoca vc estar cada vez melhor!
é palpável na sua escrita!
fazfavor, come um pastelzinho de belém por mim esse final de semana!
mesmo vc não gostando, não me abandona! :)
bjs gatonaaaa

Karla disse...

eu não canso de dizer em como você é lindaaa em cada palavra daqui e eu juro que não é educação! rs
mtos bjos e parabens sempre! não vejo a hora de ter seu livro na mão!